Por: Dr. Pedro Shiozawa

Chief Medical Officer e Co-Founder da Jungle Medical

Por: Dr. Pedro Shiozawa

Chief Medical Officer e Co-Founder da Jungle Medical

26 abril, 2022 • 1:23

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são um apelo global à ação para acabar com a pobreza, proteger o meio ambiente e o clima e garantir que as pessoas, em todos os lugares, possam desfrutar de paz e de prosperidade. Esses são os objetivos para os quais as Nações Unidas estão contribuindo a fim de que possamos atingir a Agenda 2030 no Mundo. 

Do total de 17 objetivos norteadores para essa nobre meta, um deles chamou particularmente nossa atenção na Jungle, uma health tech startup do Ecossistema GPTW Brasil, focada na gestão da saúde emocional nas organizações: o  ODS 3, que trata de Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas e todos, em todas as idades.

Temos observado que em nosso cenário de (pós)pandemia, houve um aumento importante dos sintomas emocionais como quadros ansiosos, depressivos, de burnout e de uso de substâncias. 

De acordo com o próprio secretário-geral da ONU, o português António Guterres, “Mesmo após o controle da pandemia, a ansiedade e a depressão continuarão a afetar as pessoas e as comunidades.”

Pensando mais especificamente no ambiente e nas relações de trabalho, algumas recomendações gerais têm sido feitas a fim de que as lideranças, os gestores e os Recursos Humanos possam visitar os temas mais problemáticos e inerentes ao cenário atual de mudanças e incertezas. 

Capacitação e preparo das pessoas

Em primeiro lugar, os funcionários precisam do tipo certo de ferramentas para colaborar virtualmente e devem estar devidamente capacitados nessas novas ferramentas e tecnologias. 

O uso de ferramentas virtuais, como tem sido usado para reuniões, apresentações e compartilhamento de dados, não são, de maneira alguma, habilidades inerentes a boa parte das pessoas no mercado de trabalho, de modo que a formação é um fator significativo para determinar a eficácia dos colaboradores no cenário atual.

Conexão entre as equipes

Um segundo ponto diz respeito à necessidade de estabelecer meios regulares de conexão entre as equipes, com estratégias de manutenção dessas ferramentas e rotinas. 

Na verdade, análises recentes mostraram que sessões de brainstorming e encontros programados nas equipes se correlacionaram com a melhora nos resultados e da produtividade durante a pandemia.

Empatia e respeito ao tempo de cada pessoa

Uma terceira recomendação é a de que o trabalho remoto, sendo uma experiência nova para muitos funcionários e empregadores, não deve ser perfeito nesse momento. 

Não devemos nos cobrar para além do nosso limite, ainda que estejamos abertos à inevitável necessidade de nos reinventarmos nesses tempos complexos. 

Em outras palavras, há que se respeitar uma curva de aprendizado e adaptação das pessoas a esta nova maneira de interagir e fazer negócios. Este período deve ser visto tanto como uma oportunidade de aprendizado de novas estratégias e tecnologias, como de aprendizado e crescimento pessoal.

Assim, as organizações progressivamente enfatizarão a atenção aos cuidados com a saúde mental dos funcionários, examinando mais de perto as pressões pessoais diárias que seus times enfrentam. 

Também se faz mandatória uma reflexão sobre valores corporativos a nortear as estratégias de como lidar com o cenário atual. Decisões para realocação de recursos, estratégias de marketing, novos produtos, relação com os clientes, tudo está sendo repensado. 

Neste dinâmico e contínuo processo, a boa notícia para nossa saúde é que os ambientes de trabalho mais salutares têm colocado a preocupação com as pessoas e os programas de bem-estar e saúde não apenas enquanto um benefício ao colaborador, mas sim como um fator integrante na estratégia da empresa e gestão da cultura organizacional.

Quando a preocupação com as pessoas e o foco em promoção de saúde e prevenção de adoecimento passam a integrar de maneira robusta o core da empresa, podemos respirar mais aliviados: o bem maior de qualquer negócio são as pessoas, portanto, a ênfase no cuidado com os seus colaboradores será melhor não apenas para eles, mas para a sustentabilidade dos negócios da companhia e para a sociedade como um todo.

E se a sua empresa já tem ações voltadas para o bem-estar das pessoas e para a sustentabilidade de forma geral, é importante saber como divulgá-las para o mercado e todas as partes interessadas. Confira o nosso guia com 3 passos para comunicar as ações ESG e implemente na sua empresa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdos Relacionados

Assine a newsletter do GPTW

e fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se