Por: Daniela Diniz

Diretora de Conteúdo e Eventos do GPTW

Por: Daniela Diniz

Diretora de Conteúdo e Eventos do GPTW

22 agosto, 2019 • 2:39

Em 1997, o Brasil conhecia – pela primeira vez – as Melhores Empresas para Trabalhar no país. Apenas 30 passaram pelas várias triagens da primeira apuração do gênero já feita no país. Para chegar ao seleto grupo, o time responsável pela pesquisa enviou questionários para mais de 4 mil executivos, perguntando quais – na opinião deles – seriam as companhias que melhor ofereciam condições de trabalho a seus funcionários. Dessa “entrevista”, apenas 130 empresas foram apontadas (todas acima de 300 empregados).

Esse grupo foi convidado a participar da pesquisa composta por dois tipos de questionários: um voltado para os funcionários e o outro, para o RH. O objetivo era identificar se esse grupo era bom mesmo, especialmente na percepção do seu time. Apenas 78 aceitaram o desafio. Destas, 30 foram consideradas as Melhores.

Não foi apenas o interesse das empresas que mudou em 23 anos de pesquisa (em 2019, participaram do processo 2.645 companhias), mas a ideia do que é ser um bom lugar para trabalhar. A começar pelo tamanho das empresas. Durante os primeiros anos de ranking, o conceito de bom empregador estava muito atrelado ao porte da organização. Grandes empresas, com muitos processos e nomes conhecidos, faziam parte do imaginário do que seria um excelente lugar para trabalhar. “Ser sólida, ter um fluxo de caixa saudável, um nome forte no mercado e não se preocupar com folha de pagamento” eram atributos de uma organização de ponta para o funcionário.

Ao longo da história das melhores empresas, esse conceito mudou um pouco. Até porque ser uma excelente empresa para trabalhar é causa de sua boa reputação (e não consequência). O tamanho e fama, portanto, deixaram de ser uma barreira que separava as melhores das, digamos, comuns. Hoje, o ranking que dá origem às Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil contempla empresas a partir de 100 funcionários.

Há ainda, porém, uma enorme parcela de empresas muito boas para se trabalhar, certificadas pelo Great Place to Work, com menos de 100 funcionários – entre elas, muitas startups que vêm dando um novo tom à algumas práticas de recursos humanos.

Outra diferença está na ênfase dada ao salário e benefícios. Excelentes empresas – em sua esmagadora maioria – pagavam muito acima da média e eram reconhecidas pelos seus agressivos pacotes de remuneração. Ainda hoje, o grupo de elite do cenário corporativo brasileiro, se destaca pelos benefícios oferecidos aos seus funcionários, mas eles não são atrelados apenas à “coisas”, como um plano de saúde top de linha, automóveis para liderança, bônus polpudo, stock options, mas à experiência (de massagens à viagens) e, principalmente, à flexibilidade.

Sim, a possibilidade de equilibrar vida e trabalho com mais autonomia e liberdade tornou-se um atrativo muito maior do que um gordo pacote de remuneração. Como consequência, práticas ligadas à qualidade de vida (de esportes coletivos ao avanço do home office) entraram para valer nas melhores empresas.

Chefe x Líder

Ao ler depoimentos dos funcionários das Melhores Empresas para Trabalhar do final da década de 90 e início dos anos 2000, chama a atenção a quantidade de vezes que a palavra “chefe” é usada. O chefe que “permitia” seu funcionário entrar na “sua sala” com uma boa ideia a qualquer momento era – realmente – uma pessoa quase iluminada. Hoje, a frase pode soar no mínimo estranha.

Afinal, chefes quase não têm sala. E chefes bons viraram líderes ou gestores que no lugar de “permitir” novas ideias, convocam o time para pensar juntos.

 

Os melhores das melhores

Após os dois primeiros anos de ranking, as melhores empresas para trabalhar tornaram-se alvo de candidatos a um emprego. Todos queriam uma vaga naquelas que sabiam – como poucos – cuidar dos seus “principais ativos”.

Até hoje, estar no ranking das Melhores coloca a organização num alto patamar de atratividade de talentos. As 150 classificadas em 2019, por exemplo, receberam em média 56 mil currículos no último ano. Mas quem era o candidato ideal para o grupo das Melhores?

A discussão sobre escassez de talentos no ambiente de trabalho ganha força no final de década de 90 e as credenciais para entrar no pelotão de elite das empresas são várias: “ter diploma de uma escola reconhecida e inglês fluente são fundamentais para trabalhar nas melhores”, revelava a pesquisa de 1998. Sem eles, o candidato não passava da primeira fase de entrevista.

As atitudes também pesavam, porém menos. E estas não mudaram tanto nesses 20 anos: “criatividade, vontade de aprender, habilidades para trabalhar em equipe, foco no cliente e resultado.” A exceção está na busca por profissionais “ambiciosos com desejo de crescer na empresa”. Ou seja, mais do que brilho nos olhos, elas buscavam quem tinha sangue nos olhos.

Diversidade – como se pode observar ao ler as exigências da época – não era um valor, nem uma preocupação, muito menos uma meta. E aí, talvez, esteja a grande diferença entre as Melhores do passado e as Melhores de hoje.  Ao ler a infinidade de dados e relatos das empresas que passaram pelos rankings do Great Place to Work, podemos observar como elas – mais do que acompanhar a evolução deste tema – foram muitas vezes as grandes responsáveis por levantar esta pauta na sociedade.

A história das Melhores Empresas mostra que estas têm essa função de fazer a gestão de pessoas além dos muros – e muitas foram as que, ao longo dos anos de pesquisa, estiverem à frente da própria sociedade no assunto diversidade e inclusão. Foram pioneiras em estender benefícios de saúde a parceiros do mesmo sexo, por exemplo, e pioneiras em criar comitês específicos para tratar de temas de diversidade.

Hoje, esse grupo tem uma maturidade muito superior à média nacional em relação a políticas e práticas de inclusão. Não à toa, dentre as 150 Melhores Empresas para Trabalhar deste ano, 83% têm uma pessoa responsável por combater a discriminação e promover a diversidade no ambiente de trabalho.

Com isso, o talento não é apenas o profissional que fez a faculdade top de linha, intercâmbio de um ano no exterior e fala inglês fluente. O talento é – muitas vezes – quem superou adversidades para fazer uma graduação e, com muita criatividade, espírito de equipe, ousadia e vontade infinita de aprender, vai trazer a realidade do mercado para a empresa.

As Melhores de hoje estão muito mais abertas às várias possibilidades de talentos e sabem que, quanto mais inclusivas, mais inovadoras elas se tornam.

Ok, e o que não mudou?

A base da história das melhores empresas para trabalhar – seja a de 1997 ou de 2019 – está na construção de um ambiente de confiança. E podemos dizer que isso não mudou – e não vai mudar nunca. Quanto mais confiança houver nas relações de trabalho – entre líderes e time, entre pares, entre CEOs e Conselho –, maior a autonomia e, consequentemente, maior o engajamento e a satisfação em trabalhar. E a confiança está pautada na transparência, o que exige uma excelente comunicação e alinhamento entre todos.

Cultura é o pilar que sustenta o todo. Empresas que conhecem bem – e valorizam – sua cultura, se adequam mais aos muitos momentos de mudança que o mundo exige. As práticas mudam, os currículos mudam, mas os valores se mantêm firmes e fortes, o que faz com que estas empresas saibam escolher melhor o time que vai remar junto – não importa quais correntezas terá pela frente.

As excelentes empresas continuam desenvolvendo os melhores profissionais para o mercado de trabalho. A diferença é que elas trocaram a palavra “retenção” por “engajamento” e buscam que esse casamento seja feliz, não necessariamente longo.

Por fim, as melhores são mais rentáveis. Há inúmeros exemplos de 1997 até 2019 de que o time que compõe o ranking tem um retorno sobre o patrimônio maior que a média. Em 1998, por exemplo, o primeiro lugar no setor de bebidas ficou com a Brahma (antes de nascer a AmBev), cujo lucro líquido havia crescido 17% entre 1996 e 1997. O setor inteiro na média só havia aumentado 1,7% no mesmo período. Em 2018, por exemplo, o faturamento das organizações premiadas apresentou crescimento de 2,0% contra 1,0% do PIB do Brasil.

As melhores são maiores. Não em tamanho, mas em grandeza. E seguem sendo referência para todas as organizações que buscam construir uma sociedade melhor.

Deixe seu Comentário

7 Comentários

  • Postado por: Gilmar Prado •

    Acho que o texto ajuda muito na reflexão do papel das empresas numa sociedade, ora sendo propulsora das mudanças e noutras horas refletindo a sociedade onde está inserida.
    Parabéns por proporcionar essa viagem no tempo do mercado de trabalho , sigamos em frente , há muito por construir!

    Gilmar Prado.

  • Postado por: Thais Lemos •

    A analise realizada é de grande importância para a percepção de tendências que já foram relevantes e outras que se perpetuam de geração a geração.

    • Postado por: Great Place to Work •

      Obrigado pelo elogio, Thais!

  • Postado por: simone ap stahlschmidt •

    Muito boa a matéria.

  • Postado por: simone ap stahlschmidt •

    Muito bom este texto.
    “As melhores são as maiores, não em tamanho, mas em grandeza.”
    É isso.

  • Postado por: simone ap stahlschmidt •

    “As melhores são as maiores, não em tamanho, mas em grandeza.”
    É isso.

  • Postado por: LUIZ FERNANDO DE ARAUJO CADUDA •

    Bom dia,

    Tinha e leio desde a primeira edição. Elas foram doadas para a Biblioteca da Faculdade de Administração em que ministrei aulas por mais de uma década. Ressalto que seus conteúdos foram utilizados em várias disciplinas do curso.
    Professor Luiz Fernando Caduda

Conteúdos Relacionados

Assine a newsletter do GPTW

e fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se