Por: Cauê Oliveira

Diretor da Youleader Brasil - Uma empresa do Ecossistema GPTW

Por: Cauê Oliveira

Diretor da Youleader Brasil - Uma empresa do Ecossistema GPTW

4 maio, 2022 • 4:39

Ao conhecer os estágios de liderança, o desenvolvimento pode ocorrer em etapas, realizando capacitações adequadas ao momento do gestor. 

Mas afinal, o que é de fato o estágio da liderança? Esses degraus de desenvolvimento são fruto de análises do GPTW com mais de 75 mil colaboradores e mais de 10 mil gerentes dos EUA em ramos distintos. 

Ao escutar as pessoas, é possível mapear os padrões e tendências nos comportamentos dos líderes mais eficazes. Assim, construímos uma jornada pela qual os gestores podem passar até se tornarem líderes para todos, ou seja, líderes inclusivos, inspiradores e acolhedores que estão próximos das equipes, reconhecendo a importância de cada membro do time.

Hoje, a liderança é o ponto-chave para o sucesso das empresas. Além de exercerem grande influência sobre o engajamento e produtividade dos colaboradores, os líderes, juntamente com suas equipes, são determinantes para a inovação.

Continue a leitura para compreender melhor sobre o conceito dos estágios de liderança criados pelo GPTW e como a empresa pode contribuir para que os profissionais desenvolvam as competências de liderança!

Por que as empresas devem transformar gestores em grandes líderes?

Para realizar a estratégia de negócios, as empresas buscam vantagens competitivas. E, entre as mais relevantes, está a alta performance nas competências de liderança. Afinal, a liderança afeta a produtividade, engajamento, motivação, satisfação no trabalho e diversos outros indicadores da gestão de pessoas.

Também percebemos o impacto da liderança na inovação. No IVR, o indicador utilizado no GPTW para avaliar a capacidade das empresas responderem rapidamente aos estímulos do ambiente com soluções de inovação, o papel do líder é de grande importância.

Quando o colaborador, por exemplo, tem iniciativas favoráveis à inovação, como apresentar projetos, propor soluções fora da caixa, conceder feedbacks, etc, o comportamento do líder quanto a isso é fundamental. Quem está à frente do time vai escutar, incentivar o colaborador e reconhecer o trabalho mesmo se a solução der errado? Ou vai boicotar a mudança?

Resumindo, os líderes são peças-chave enquanto incentivadores da inovação. Confiança na liderança, feedbacks positivos e construtivos, compra dos riscos junto ao colaborador, tudo isso afeta as chances da inovação ser ágil e constante na empresa.

E por que inovar? Ao estudar o IVR, percebemos que as organizações com alto nível de inovação apresentam 5,5 vezes mais crescimento de receita e seus colaboradores são 4 vezes mais propensos a se sentirem orgulhosos de seu trabalho, entre outros benefícios.

Faz a diferença, portanto, contar com gestores que tenham um nível de liderança elevado à frente das equipes. Logo, é fundamental que a organização tenha profissionais preparados para o desafio dessa função.

O que é estágio de liderança?

A metodologia da Jornada da Liderança visa identificar objetivamente, os distintos perfis de liderança existentes em uma mesma empresa, considerando que isso nem sempre está atrelado a senioridade do cargo.

De forma geral, os estágios da liderança definem a situação atual na jornada do líder. Dessa forma, é possível entender onde estão os desafios da empresa e traçar uma estratégia assertiva para trabalhá-los.

Os estágios da liderança são considerados indicadores que visam trazer eficiência para os investimentos financeiros e de tempo na capacitação das lideranças. Neste artigo, falaremos momentaneamente sobre três deles, visto que, ao todo, são cinco estágios para classificar o desenvolvimento das lideranças.

Inconsciente

O nível inconsciente representa o líder que ainda não despertou para o impacto dos seus comportamentos nos outros, tampouco é capaz de inspirar confiança. Não à toa, encontra-se em dificuldades para conquistar o melhor das pessoas.

Um comportamento comum a esses gestores é ter dificuldades para enxergar o colaborador além da função na empresa. Logo, mesmo que inconscientemente, separa o “funcionário” do “ser humano”, que tem diferentes vivências, conhecimentos, desejos e necessidades.

Igualmente, o líder inconsciente não consegue ser eficiente em oferecer um rumo para a equipe. Não compartilhar objetivos, ocultar informações e desengajar o grupo são situações recorrentes no dia a dia da equipe. É alguém, inclusive, que não se importa de tomar o crédito pelo trabalho do time e dificilmente reconhece os méritos coletivos.

Outra característica é a falta de habilidades de relacionamento interpessoal, como comunicação assertiva, escuta ativa e empatia. Por exemplo, o líder que precisa elevar o seu tom de voz para ser ouvido, certamente, está em dificuldades.

O resultado é um gestor que cria um ambiente de incerteza e desconfiança. Além disso, prejudica o clima organizacional, levando a problemas para a organização, como turnover elevado e dificuldades para atrair talentos.

Transacional

O estágio transicional é aquele em que o gestor se preocupa em oferecer um direcionamento para a equipe, mas ainda não desenvolveu as soft skills necessárias para atingir bons resultados. Logo, embora esteja mais consciente do próprio papel, ainda precisa evoluir bastante para alcançar o estágio de líder For All.

É um estágio bastante comum. Muitas vezes, o gestor é promovido devido às competências ligadas ao cargo anterior, como vendedor, analista, técnico, etc. Ao chegar na posição à frente de um time, o profissional precisa melhorar habilidades para além de sua competência técnica, como comunicação, escuta, empatia e inteligência emocional.

Não por acaso, o foco do líder transacional geralmente está em concluir as tarefas, em vez de construir relações humanas. Além disso, é alguém que se preocupa em oferecer diretrizes mais que do que escutar os colaboradores.

Não há, ainda, a visão de que o colaborador é uma pessoa para além do trabalho, embora o líder transacional já consiga ser mais respeitoso que o inconsciente. Todos na empresa, nesse estágio de liderança, seriam parte da engrenagem, e o gestor está empenhado em fazê-la funcionar.

For All

O líder For All (para todos) é o norte da jornada de desenvolvimento, utilizando-se o conceito de estágios de liderança. É o modelo de sucesso, que ajuda a definir quais são as necessidades de capacitação de cada gestor.

Um líder For All, por exemplo, não apenas está aberto a ouvir os colaboradores, mas incentiva a participação e sugestão vinda das equipes. Igualmente, atua para reconhecer a importância das pessoas e consegue enxergá-las muito além de peças em uma engrenagem.

Também é um profissional empenhado em promover o desenvolvimento individual e organizacional. No primeiro caso, atua contribuindo com feedbacks, incentivo, orientação e outras ações com intenção genuína de ver o crescimento do colaborador. No segundo, contribui para um excelente ambiente de trabalho, atua de forma ética no dia a dia, vive os bons valores defendidos pela empresa, entre outras práticas.

Em síntese, a jornada pelos diferentes níveis de liderança transforma um gestor que não sabia como exercer o papel à frente das equipes em alguém que inspira as pessoas e desperta a vontade de seguir. O papel do RH e da educação corporativa, nesse sentido, é criar as condições para que as pessoas caminhem por essa estrada.

Como desenvolver os estágios de liderança na sua empresa?

O estágio de liderança cria um caminho lógico para que o gestor consiga se desenvolver. A partir da comparação com os líderes For All, cada gestor tem clareza sobre suas necessidades.

Em cada degrau, as capacitações, materiais e feedbacks precisam estar adaptados ao estágio de liderança. Do contrário, pode não fazer sentido para o líder em desenvolvimento naquele momento.

No estágio inconsciente, por exemplo, o profissional precisa tomar consciência do próprio impacto nas equipes e desenvolver o interesse em conseguir direcionar o grupo em busca de objetivos comuns. Portanto, as capacitações precisam girar em torno da sensibilização.

Chegando no nível transacional, será o momento de desenvolver as competências para o profissional transformar a vontade de liderar em boas práticas. Lá na frente, quando já conseguir influenciar melhor as equipes, o gestor pode ampliar sua contribuição, desenvolvendo pessoas, incentivando a participação, promovendo a inclusão, etc.

A Youleader oferece as condições para que os gestores possam percorrer essa jornada de desenvolvimento.

Sendo assim, você pode criar as condições para que os gestores evoluam seus estágios de liderança e a empresa colha benefícios de engajamento, produtividade e inovação. Logo, realizará uma gestão de pessoas com mais impacto no sucesso da organização.

Conheça agora mesmo as soluções da YouLeader e promova melhorias com grande impacto na sua empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdos Relacionados

Assine a newsletter do GPTW

e fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se