Por: GPTW em parceria com a Youleader Brasil

Por: GPTW em parceria com a Youleader Brasil

16 março, 2022 • 10:55

Liderança e tecnologia nunca caminharam tão juntas como atualmente, e os gestores da sua empresa precisam estar preparados para essa realidade. Não dá para definirmos uma estratégia sem pensarmos em quais soluções de inovação serão utilizadas para alcançar as metas estabelecidas, por exemplo.

E o contexto recente, especialmente a redução da possibilidade contato presencial, acelerou essa transformação digital. Vivenciamos cada vez mais o trabalho remoto, o autoatendimento, a educação online, a automação de tarefas, a inteligência artificial, etc.

Por isso, as empresas têm a responsabilidade de desenvolver um mindset de inovação nos colaboradores, principalmente nos líderes para acompanharem as transformações. Entenda como lidar com esse desafio, desenvolvendo talentos para as posições-chave!

Qual é a importância de integrar liderança e tecnologia?

As atividades dos responsáveis por conduzir e engajar os colaboradores em busca dos objetivos da empresa estão cada vez mais abrangentes. Por isso mesmo, a percepção sobre qual é o papel do líder vem mudando.

Em um primeiro nível, a liderança está bastante associada à influência em prol de objetivos. Nele, o gestor deixa de usar apenas os poderes do cargo e conta com habilidades para fazer as pessoas quererem seguir seus direcionamentos.

No entanto, diante de novos desafios, as expectativas sobre o trabalho do líder mudaram. Podemos buscar gestores para diversas outras tarefas:

  • facilitar a criação de excelentes ambientes de trabalho;
  • ajudar os colaboradores a desenvolverem competências;
  • fortalecer a cultura da empresa;
  • promover a diversidade e inclusão.

Entre as novas funções, está a liderança tecnológica. Hoje, os meios empregados para alcançar os objetivos empresariais, em grande parte, são meios tecnológicos. Sem domínio das soluções do próprio segmento de negócios, as empresas apresentam sérias dificuldades para acompanhar os concorrentes. Ademais, sem inovação, raramente vão sair na frente.

Gerir a mudança

Entre novas missões, os líderes são frequentemente responsáveis por substituir as práticas antigas com uso da tecnologia. Trata-se de gerir a mudança para que, de fato, os colaboradores tenham uma boa experiência e consigam tirar o melhor das soluções digitais.

Uma equipe que mudou para o trabalho remoto é um bom exemplo. Organizar o trabalho, acompanhar o desempenho, compartilhar informações, manter as relações de camaradagem entre os colaboradores e diversas outras questões nascem a partir dessa transição. Assim, os gestores precisam apoiar a equipe para fazer o melhor uso da tecnologia, a fim de todos alcançarem seus objetivos.

Promover a inovação

A relação entre liderança e tecnologia também é vista na criação de um ambiente favorável à criatividade e inovação. A liderança tecnológica é exercida quando o gestor não é uma barreira aos movimentos de inovação, mas promotor deles dentro da empresa.

O colaborador tem mais chances de propor uma inovação quando tem confiança. Fazer algo novo envolve riscos e experimentação. Por isso, o gestor precisa saber quando e como reconhecer as pessoas por arriscar e transmitir segurança para quem deseja inovar, ainda que, por vezes, os erros aconteçam.

Capacitar os colaboradores

O líder se encarrega, ainda, de escutar os colaboradores, avaliar o desempenho e indicar necessidades de capacitação. Nesse sentido, com mudanças tecnológicas, surgem lacunas de competência, e o gestor pode ajudar as pessoas a superá-las.

Se a empresa adota um totem de autoatendimento, por exemplo, o antigo caixa se torna responsável por orientar as pessoas que tiverem dificuldades no uso da tecnologia. Se decidir realizar vendas pelo aplicativo de mensagens, os colaboradores precisam usar a escrita e adaptar-se ao novo canal.

Mudar a mentalidade das equipes

A liderança tecnológica também contribui para transformar o mindset das equipes. Os profissionais precisam estar motivados a empregar a tecnologia em suas atividades, superar os desafios vindos das transformações que acontecem a todo instante e iniciar movimentos de inovação na empresa, entre outras atividades.

Nesse processo, é natural que os próprios líderes precisem de preparação. Portanto, cabe ao RH criar as condições para que os gestores possam se desenvolver e impactar positivamente os colaboradores.

Como auxiliar o desenvolvimento da liderança tecnológica?

Diante da importância de unir liderança e tecnologia, a empresa, especialmente com o auxílio do RH, precisa criar as condições para que os gestores consigam lidar com as transformações que acontecem a todo instante, bem como que auxiliem as equipes nesse contexto. Confira cinco dicas!

Utilize dados para sensibilizar o gestor

O processo de desenvolvimento de liderança envolve a identificação de lacunas de competência. Por isso, um dos trabalhos mais importantes é sensibilizar os gestores sobre a necessidade de capacitação.

Nesse processo, é importante que o RH esteja embasado em dados, e não apenas na opinião de seus profissionais. Isso porque, cada vez mais, a fundamentação em números faz parte da tomada de decisões dos gestores, e falar essa linguagem contribui para que os líderes se convençam dos pontos de melhoria.

Procure treinamentos mais específicos e personalizados

O profissional que ocupa um cargo de gestão, geralmente, já passou por diversas formações tradicionais. Isto é, o profissional já tem uma base em muitos assuntos e pode ter dificuldades de enxergar a conexão de formações genéricas com o trabalho.

É importante criar uma jornada personalizada, considerando os pontos fortes e as necessidades de melhoria de cada líder. Trata-se de engajar o profissional em algo que faz realmente sentido para o trabalho, em vez de uma qualificação que será esquecida pelo desuso.

Traga os desafios do dia a dia para a capacitação

Os assuntos abordados na formação de líderes serão mais efetivos se estiverem conectados ao que está acontecendo na realidade do gestor. Aqui, é possível introduzir os desafios de liderança e inovação como tópicos, reunindo materiais que ajudam os gestores a superá-los.

Se, por exemplo, a empresa está implementando um novo software de gestão, esse tipo de mudança pode ser um tópico de estudos. Se quer desenvolver novos produtos, serviços e projetos, o líder pode aprender sobre novos métodos de trabalho para incentivar o intraempreendedorismo e a inovação.

Em vez de realidades teóricas e casos hipotéticos, coloque a empresa como assunto do desenvolvimento de liderança.

Acompanhe as tendências de gestão

Junto à realidade da empresa, procure abordar as tendências e inovações mais recentes. Com isso, a formação estará mais sintonizada com o seu tempo, em vez de abordar tópicos que já foram ultrapassados.

Há diversos exemplos que podem criar um desenvolvimento de liderança alinhado ao tempo em que ele acontece. Cultura ágil, trabalho híbrido, liderança em tempos de crise, transformação digital, inteligência artificial são alguns desses assuntos.

As teorias, estilos de liderança, métodos de trabalho e afins, não devem ser abordados apenas na perspectiva teórica. Contextualize com casos e situações reais, bem como com temas atuais para que a capacitação realmente tenha impacto no dia a dia do gestor.

Utilize a tecnologia no processo

O processo de desenvolvimento será mais efetivo se usar a inovação em suas etapas. Um bom exemplo dessa abordagem é trazida pela Weego, parceira do GPTW. Em sua metodologia, a Weego aplica soluções que unem desenvolvimento de liderança e tecnologia:

  • plataforma digital como ambiente virtual de aprendizado;
  • diagnóstico das necessidades de desenvolvimento com pesquisas e análises de dados;
  • acompanhamento dos resultados com a People Analytics;
  • criação de trilhas de aprendizado;
  • uso do microlearning para entregar conteúdos personalizados.

Com a tecnologia, cada líder pode ser tratado de maneira personalizada, entendendo seus pontos fortes e lacunas de competência. Conforme o estágio de cada gestor em relação às competências necessárias, o profissional receberá materiais específicos para se desenvolver, como vídeos, artigos, estudos de caso e exercícios.

Nesse processo, os gestores também recebem conteúdos sobre desafios enfrentados na empresa e tendências de gestão. Isto é, as boas práticas sugeridas anteriormente, são aplicadas, promovendo uma capacitação específica, personalizada e alinhada ao trabalho.

Sendo assim, a metodologia Weego ajuda o gestor a superar as dificuldades de conciliar liderança e tecnologia. Ademais, caso existam outras lacunas de competência, elas serão identificadas, e o profissional terá ferramentas de desenvolvimento, tornando-se um líder com cada vez mais performance em suas atividades. Conheça a metodologia Weego e conte com soluções de inovação para transformar gestores em grandes líderes na sua empresa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdos Relacionados

Assine a newsletter do GPTW

e fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se