Por: GPTW

Por: GPTW

19 maio, 2020 • 10:00

A alta competição por talentos exige a adoção de novas práticas pelas empresas. Entre elas, temos o fortalecimento da marca empregadora, que passa tanto pela melhoria das condições internas de trabalho como pela divulgação adequada da proposta de valor.

Há anos, o RH vem mudando o conceito sobre os colaboradores. Em vez de recursos geridos no mesmo patamar das finanças, tecnologia e matéria-prima, as melhores organizações colocam os profissionais na condição de parceiros do negócio. Surgem, então, novas necessidades, como fortalecer a marca empregadora. 

A marca empregadora representa os sentidos e associações atrelados à imagem da empresa enquanto lugar para trabalhar. Se essa imagem for positiva, a organização será atraente para os talentos — que, enquanto parceiros, precisam enxergar o retorno do investimento antes de colocarem tempo, dedicação, energia e competências à disposição do negócio. 

Logo abaixo, trouxemos sete práticas que contribuem para fortalecer a marca empregadora. Ao final, você saberá por onde começar o Employer Branding e será mais efetivo nas suas práticas de atração de talentos! 

1. Defina uma proposta de valor como empregador

A Employee Value Proposition (EVP) refere-se a oferta da organização para o funcionário. Logo, é um elemento que, se for real, ou seja, os benefícios divulgados não forem apenas da boca para fora, vinculará uma série de atributos positivos à imagem de marca empregadora. 

Para construir essa proposta, antes de tudo, precisamos pensar em melhorias internas, especialmente aquelas relacionadas aos principais fatores de permanência no trabalho:

  • perspectiva de crescimento;
  • qualidade de vida;
  • alinhamento de valores;
  • remuneração e benefícios;
  • estabilidade.

Também é importante cuidar do ambiente. Afinal, o contexto organizacional precisa ser saudável, favorável ao crescimento das pessoas e permeado por boas relações, entre outras características, para termos condições de gerar os fatores de permanência.

Depois, é fundamental saber comunicar a proposta de valor. A ideia é pensar nos profissionais como possíveis parceiros, investindo em texto, design, imagens e mensagens que deixem claro e atrativo o que a organização tem a oferecer.

Quem faz isso muito bem é a empresa Resultados Digitais. Desde 2019, a ampliação dos investimentos em Employer Branding, tendo como um dos focos a divulgação da EVP, faz parte da estratégia da empresa para conquistar talentos.

Nesse período, foram alocados grandes esforços para estar presente em plataformas de empregabilidade, como Glassdoor, Indeed e Cubo. Houve, ainda, uma ampliação das parcerias com instituições de ensino e da presença em eventos, bem como melhorias na página de Trabalhe Conosco. Logo, mais pessoas agora têm contato com a proposta de valor.

2. Conheça a cultura e os objetivos da empresa 

Toda empresa tem uma cultura organizacional, ou seja, um conjunto de crenças, valores e comportamentos compartilhados internamente. É algo que vemos nos chamados artefatos, elementos que traduzem externamente o que está enraizado na empresa, como modo de se vestir dos profissionais, estilo de comunicação interna, decoração dos ambientes e regras de conduta. 

Já os objetivos, correspondem ao que a empresa deseja concretizar no curto, médio e longo prazo. Nesse sentido, o ideal é ter uma cultura que crie as condições internas para alcançar aquilo que a organização se propôs a fazer, que geralmente é definido por seus idealizadores. 

Entender os três pontos — quais são os objetivos, como é a cultura e se ambos estão alinhados — não é algo simples. Além disso, nem sempre o gestor tem o distanciamento necessário por estar inserido no processo. Daí a importância de realizar as pesquisas de clima organizacional. 

Em relação à marca empregadora, é natural que o modo de ser da empresa e o que ela busca façam parte da imagem de marca empregadora. Na verdade, quando a cultura e os objetivos são diferenciais, o mais indicado é buscar conscientemente essa associação.

3. Divulgue vagas com base na cultura organizacional

Um terceiro ponto importante para o Employer Branding é a divulgação de vagas refletir a cultura da empresa. Conteúdo, linguagem, design, canais, tudo deve ser uma prévia das crenças, valores e comportamentos compartilhados no ambiente de trabalho. 

Aqui, podemos nos inspirar na Bemobi. Uma das estratégias da empresa é criar uma comunicação padronizada para o processo de recrutamento. Assim, ela consegue se posicionar como uma empresa jovem e inovadora, usando uma linguagem descontraída, com hashtags e anúncios visuais, bem como posicionando-se de maneira mais amigável e informal. 

As práticas refletem traços da cultura da empresa, que prioriza um relacionamento mais próximo dos colaboradores e dar significado ao trabalho mais do que a troca financeira.

4. Engaje funcionários atuais por meio de ações de endomarketing 

O Endomarketing corresponde às estratégias e políticas voltadas para o público interno, principalmente com o objetivo de valorizar a imagem da empresa junto aos colaboradores. Trata-se de uma área que conecta profissionais de marketing e RH. 

Os segredos de um marketing bem realizado também se aplicam às políticas para os colaboradores. Entender os desejos e necessidades, adotar uma linguagem adequada e saber escutar são práticas que fazem toda a diferença. Não à toa, frequentemente as boas estratégias de Endomarketing nascem dos resultados da pesquisa de clima organizacional. 

Entre as práticas mais comuns, temos a vinculação da marca empregadora a experiências positivas no ambiente de trabalho. É quando lembramos dos aniversários, oferecemos brindes e recompensas, celebramos uma conquista coletiva, melhoramos a relação com os líderes, entre outras ações. 

Na KingHost, por exemplo, o processo começa já no primeiro dia de empresa. O recém-chegado recebe um kit com camisetas, chocolate, blocos de notas, adesivos e uma série de outros itens de boas-vindas — tudo com dizeres e frases que remetem aos valores da empresa. E o engajamento já começa desde cedo, pois muitos compartilham os mimos nas redes sociais. 

5. Participe de eventos externos

Os eventos são a oportunidade de ampliar o alcance da divulgação da marca empregadora. A agenda pode ser composta de atividades presenciais, como feiras e workshops, ou de atividades online, como webinars e feiras digitais.  

Além disso, é uma boa oportunidade para segmentar as estratégias. Por exemplo, a participação em um evento de um conselho profissional alcança um público diferente daquele presente nos eventos de faculdades. Isto é, se você busca jovens talentos, o alvo será um; se busca profissionais seniores, outro. 

Aqui, entram tanto os eventos do mercado de RH como os voltados para outros públicos. Muitas vezes, os produtos, práticas de gestão, inovação, criatividade são os que chamam a atenção, sendo sempre importante aproveitar os espaços para mostrar o que a organização tem de melhor. 

6. Promova a marca por meio de campanhas estruturadas nas redes sociais 

Podemos apontar, ainda, a importância de desenvolver estratégias para as redes sociais. Só para citar um dado, em 2019, o brasileiro passou em média 3h34min por dia nesses canais de comunicação. 

No entanto, um cuidado importante é entender que os usuários não abrem celulares e computadores em busca publicidade e propaganda, mas de informação, entretenimento e relacionamento. Assim, você deve ser capaz de produzir um conteúdo relacionado à essas necessidades, de acordo com as características de cada canal. 

Na GL Events Brasil, a página do LinkedIn é constantemente alimentada com publicações sobre a cultura da empresa e seus negócios, principalmente as ações com os funcionários. E isso deu frutos: o perfil da empresa, que contava com seis mil seguidores em 2016, hoje tem cerca de trinta e seis mil, mostrando o aumento do interesse dos profissionais. 

Perceba que a estratégia casa muito bem com as características da rede social — em que os usuários já buscam informações relacionadas a empresas e práticas corporativas. Além disso, ao mostrar o cotidiano da organização, conseguimos nos relacionar com o público.

Aqui, também podemos incluir a importância de fortalecer sua marca empregadora por meio da divulgação de prêmios e certificações conquistadas. A obtenção do selo de qualidade do Programa de Certificação GPTW é um exemplo disso. 

Esse selo atesta que sua empresa é um excelente lugar para trabalhar. Explorá-lo em seu site institucional, na assinatura de e-mail e em banners nas redes sociais é uma boa alternativa para posicionar-se no mercado.

7. Entenda como construir uma cultura organizacional 

Um último ponto é que, além de saber divulgar a cultura da empresa, a marca empregadora passa pela capacidade de implementar características internas alinhadas aos objetivos. Afinal, se o desenvolvimento não for adequado nessa área, tampouco serão os atributos associados à imagem da empresa.

A solução está na Culture Audit. Nesse processo de avaliação, comparamos os padrões culturais existentes com os necessários para concretizar os objetivos organizacionais, entendendo o quão distante a organização está de crenças, valores e comportamentos ideais.

Outro ponto é entender a sinergia com as 9 práticas que o GPTW incentiva, ou seja, os pontos-centrais de uma cultura forte e baseada na confiança, lealdade e colaboração. São eles:

  • contratar e receber;
  • inspirar;
  • falar;
  • escutar;
  • desenvolver;
  • compartilhar;
  • cuidar;
  • celebrar;
  • agradecer.

Resumidamente, ao pensar em uma estratégia de employer branding, esses fatores fornecem os diferenciais internos. É a partir do que, de fato, acontece na organização que podemos criar uma imagem positiva no mercado.

Além disso, com auxílio da pesquisa de clima GPTW, você pode realizar a certificação da empresa, validando as melhorias com o selo de excelente lugar para trabalhar.

Sendo assim, o caminho até uma marca empregadora reconhecida e valorizada entre os talentos será encurtado. Logo, os benefícios dessa prática, como atração de candidatos mais qualificados e aumento do tempo de permanência na empresa, mais rapidamente farão parte do cotidiano da organização.

Para conhecer mais sobre pesquisa de clima e culture audit, acesse a página do GPTW e tire todas as suas dúvidas!

Deixe seu Comentário

Conteúdos Relacionados

Assine a newsletter do GPTW

e fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se