Por: GPTW

Por: GPTW

25 agosto, 2020 • 9:40

Ser reconhecido enquanto marca empregadora, passa pela coerência entre o que a empresa divulga e pratica. Isto é, a imagem da organização é reflexo principalmente da capacidade de construir um bom local de trabalho, com atenção à experiência do colaborador.

Nenhuma estratégia de marketing será plenamente eficaz se não houver embasamento em ações. Logo, os profissionais de RH e os gestores da empresa devem estar atentos às melhores políticas para área e buscar avanços voltados para as pessoas. 

A seguir, listamos 9 medidas que serão o primeiro passo para melhorar a experiência do colaborador. Continue a leitura e aprenda ferramentas de fácil implementação, mas que trazem um resultado expressivo! 

1. Entenda o conceito de employee experience 

A experiência do colaborador corresponde aos efeitos gerados nas pessoas em cada uma das interações com a empresa ou dentro dela. Ela ocorre desde as atividades cotidianas, como cumprir as tarefas e comunicar-se com o líder, até os marcos da jornada do funcionário, como admissão, integração, promoção e desligamento. 

Ao entender o conceito, busque as lacunas nos processos da organização. Reflita sobre qual é a experiência ideal e quão distante o RH está de oferecer esse resultado, em pontos que você e sua equipe consideram chave. Aqui, vale o Princípio de Pareto, em que o foco recai sobre os 20% de esforço que respondem por 80% dos resultados.  

2. Ofereça uma boa infraestrutura 

Alguns dos pressupostos críticos de uma boa experiência do colaborador estão relacionados à infraestrutura física de trabalho e aos cuidados com a percepção do colaborador a respeito da empresa. Quanto mais satisfeitos e motivados em relação ao local em que realizam suas atividades, melhor será a employee experience. 

Em primeiro lugar, considere os serviços internos que precisam estar disponíveis para que as pessoas vivenciem a jornada de trabalho de maneira mais positiva. Banheiros, internet adequada, locais de descanso, cozinha, móveis, computadores etc., procure o que faz sentido para sua empresa e dê atenção à qualidade da entrega. 

Em seguida, considere a aplicação de uma pesquisa de clima organizacional. Nela, identificamos quais são os pontos de melhoria na relação e interação com os funcionários, bem como os gaps em relação ao benchmark — a distância entre o que vocês fazem internamente e o que fazem as líderes em promover um excelente local de trabalho. 

3. Dê ouvidos e voz aos funcionários 

Outra medida prática é escutar o que as pessoas têm a dizer. Avalie quais são as barreiras para que a voz da equipe chegue aos líderes, bem como se os colaboradores veem suas demandas ouvidas e consideradas na tomada de decisões. 

A pesquisa de clima organizacional pode funcionar como primeiro passo, pois são os funcionários que respondem aos questionários. Além dela, o acesso aos líderes e aos canais para coletar feedbacks são investimentos importantes. 

4. Invista na comunicação clara e transparente  

A comunicação interna é um dos pontos críticos da gestão de pessoas, a ponto de cada vez mais estar integrada ao RH. As pessoas precisam ser informadas da situação da organização, dos seus planos e expectativas para com os funcionários.

Ademais, ela passa por colocar bons líderes à frente das equipes, que consigam orientar adequadamente o time sobre as tarefas delegadas e resultados esperados. 

Com o objetivo de melhorar e alinhar a comunicação, muitas empresas vêm adotando os chamados Objectives and Key Results ou Objetivos e Resultados-chave (OKRs). Nessa metodologia, definimos o que se pretende concretizar e criamos metas a partir dos resultados que precisam ser alcançados por organizações, departamentos ou pessoas. 

Outro cuidado é a transparência, especialmente nos processos que podem acarretar consequências indesejadas aos funcionários. É o caso, por exemplo, da situação financeira da empresa diante uma crise ou das avaliações de desempenho do colaborador, que podem culminar em demissões. 

5. Celebre os avanços e conquistas 

Prosseguindo, é importante criar experiências positivas associadas ao progresso da empresa. Aqui, vale a criatividade para compatibilizar orçamento e entrega, indo desde prêmios e brindes até eventos para celebrar os avanços e conquistas. 

Também é importante valorizar as mudanças importantes para o colaborador. Aniversários, promoções internas, chegada de novos membros, nascimento de filhos, melhorias nas metas individuais, há uma série de oportunidades de reconhecimento, que podem gerar boas iniciativas por parte do RH. 

6. Proporciona flexibilidade 

A flexibilidade é um dos benefícios mais relevantes quando construímos a proposta de valor da empresa para o funcionário (Employee Value Proposition). Com ela, abrimos espaço para o colaborador conciliar objetivos pessoas e organizacionais, além de valorizar o tempo do profissional, que terá uma redução nas horas ociosas da jornada de trabalho. 

Home office, meio expediente, jornada de 12×36, compensação de jornada e banco de horas são exemplos de medidas que podem ser adotadas pela organização. Logicamente, é preciso avaliar caso a caso, verificando o desenho do cargo e tarefas.  

7. Crie um ambiente de crescimento 

Outro componente essencial da EVP (Employee Value Proposition ou Proposta de Valor ao Colaborador) é a perspectiva de crescimento. Os colaboradores são parceiros da organização. Eles aportam esforço, competências, disciplina e outros atributos do trabalho, esperando retornos desse investimento.

De maneira imediata, o retorno pode ser visto em salários, benefícios, flexibilidade e bons relacionamentos. No entanto, também é possível pensar em ganhos de longo prazo, especialmente o que está no horizonte, caso ele decida permanecer na empresa. 

Entre as boas práticas, estão os programas de treinamento e desenvolvimento de pessoas, que indicam a oportunidade de melhoria das competências individuais. Igualmente, a existência de sistemas de recrutamento interno, possibilidade participar de projetos e chances de ser promovido contribuem com a motivação, desde que sejam justos e transparentes.   

8. Contrate a diversidade 

Atualmente, a tendência é reconhecer as diferenças entre as pessoas. Os colaboradores são desenvolvidos não mais como um padrão, mas em seus potenciais específicos. Isso porque, diferentemente de outras épocas, o foco está nas competências, inovação, criatividade e resolução de problemas.

O processo de contratação é um dos pontos de maior atenção para promover a diversidade. As atividades precisam contar com métodos para eliminar vieses e reduzir a tendências, como as pessoas buscarem pontos em comum com elas mesmas ao recrutarem.

Além disso, o onboarding deve ser planejado para que as diferenças sejam integradas e não repelidas na integração do profissional às equipes. Trata-se de encontrar um equilíbrio em que o grupo ensina ao novo colaborador, ao mesmo tempo que evolui com a sua chegada.  

9. Utilize a tecnologia para a otimização de tarefas 

Os softwares utilizados pela empresa devem facilitar o trabalho, sendo amigáveis e oferecendo uma boa experiência do usuário. Além disso, fique atento aos treinamentos, pois muitas das dificuldades são fruto da falta de domínio das ferramentas. 

Outro cuidado são as interrupções durante o trabalho. Oriente os colaboradores sobre como desativar notificações e slacks, minimizando os prejuízos à produtividade. Aliás, regras sobre quando as pessoas podem ou não ser chamadas por colegas — como a possibilidade de bloquear horários na agenda — melhoram a experiência. 

Oferecer materiais e treinamentos sobre gestão de tempo também contribui para melhorar a interação com as tarefas do dia a dia. A qualificação ajuda não apenas as entregas para empresa, mas também a pessoa, que vai encarar o serviço com mais tranquilidade.

Vale ressaltar que os cuidados com a experiência do colaborador, certamente vão refletir em resultados para organização. Enquanto parceiros da empresa, os profissionais se assemelham a investidores: quanto maior o retorno obtido, maior é a disponibilidade para aportar mais recursos no empreendimento. 

Sendo assim, a partir do trabalho voltado para experiência do colaborador, podemos esperar mais comprometimento, responsabilidade, engajamento e motivação no trabalho. Resumidamente, as pessoas estarão mais dispostas e alcançarão uma produtividade superior, ao perseguirem os objetivos da empresa. 

Para dominar o conceito de employee experience de uma vez por todas, leia nosso artigo completo sobre o tema!

Deixe seu Comentário

Conteúdos Relacionados

Assine a newsletter do GPTW

e fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se