Por: GPTW em parceria com a Youleader Brasil

Por: GPTW em parceria com a Youleader Brasil

17 novembro, 2021 • 3:50

Um ambiente de trabalho moderno precisa ser desenvolvido de forma a buscar sempre o engajamento e motivação dos colaboradores. Por isso, os erros de liderança podem interferir no trabalho da equipe, comprometer a produtividade e os resultados da empresa.

O papel do líder é ser um exemplo pessoal e profissional para os seus liderados, influenciando positivamente o ambiente e as pessoas à sua volta. Entretanto, a falta de preparo ou habilidades específicas pode levar a uma sucessão de equívocos que precisam ser corrigidos.

Neste post você vai conhecer os 7 erros de liderança mais comuns e prejudiciais, que seguem na contramão de um ambiente organizacional favorável. Continue lendo e veja a importância de ter um gestor bem preparado, comprometido com o sucesso da equipe e do negócio!

7 erros de liderança que comprometem a performance da empresa

Errar é humano, já dizia um ditado, contudo, se tratando de lideranças, é preciso ter cuidado para evitar consequências. O líder é uma referência dentro da empresa, o que significa que os colaboradores tendem a acatar suas decisões e seguir seus passos.

O crescimento de uma empresa depende de uma série de fatores, sendo que a boa liderança está entre os principais deles. Por isso, quanto menor a incidência de erros praticados pelo gestor, maiores as chances de sucesso do negócio.

Algumas falhas podem causar efeitos drásticos, desde a desmotivação dos colaboradores, até as perdas financeiras. Por isso, conhecer as mais comuns e até mesmo graves, pode poupar profissional e empresa de muitas dores de cabeça.

Selecionamos 7 erros de liderança e trouxemos dicas de como corrigir seus impactos, seja no negócio ou na relação com as equipes!

1. Não planejar

Qualquer projeto ou atividade bem-sucedida demanda um mínimo de planejamento, sobretudo, quando envolve diversas pessoas, prazos e recursos financeiros. Uma liderança sem planejamento não sabe ao certo aonde ir, logo, será difícil ter seguidores.

Um bom líder é precavido e se antecipa aos problemas, especialmente, para dar suporte às equipes quando surgirem. As lideranças que se preocupam com os resultados além do planejamento em execução devem ter um plano B e até C para usar em caso de emergência.

2. Não dar feedbacks

Como cobrar resultados ou até comportamento dos colaboradores se eles não souberem o que há de certo ou errado? Muitos líderes cometem o grave erro de não dizer quais são os pontos fortes e fracos da equipe e o que ele deseja de cada liderado.

O feedback é uma ferramenta básica da gestão de pessoas e deve ser usado tanto dentro do processo de avaliação de desempenho, quanto sempre que a liderança julgar necessário. Sabendo o que pode ser aprimorado e o que deve ser desenvolvido, o colaborador se sente mais motivado.

3. Não desenvolver os colaboradores

Tão grave quanto não dar feedbacks é perceber a necessidade ou oportunidade de investir na capacitação e desenvolvimento dos colaboradores e ser omisso. Quando um líder deixa de desenvolver sua equipe, além de impedir o crescimento individual, desacelera as oportunidades da empresa.

Esse é, portanto, mais um erro a ser evitado, pois sabemos que as empresas que se preocupam com o desenvolvimento das habilidades e competências da sua força de trabalho, saem disparadas à frente do mercado, pois são as pessoas as principais responsáveis pela boa performance de um negócio.

4. Sobrecarregar a equipe e não dar apoio

A delegação de tarefas ou atribuição de responsabilidades em excesso para a equipe e sem um mínimo de suporte mostra a deficiência de um líder no gerenciamento de processos e pessoas — a sobrecarga gera cansaço, desmotivação e o risco de retrabalho devido à falta de compromisso com o trabalho.

Uma liderança inteligente analisa, junto com a equipe, as demandas e projetos em andamento, distribui as atividades conforme o conhecimento e capacidade de cada um, além de acompanhar cada etapa, orientando e corrigindo, sempre que perceber algum desvio.

5. Não valorizar a equipe

Embora o contrato de trabalho estabeleça um vínculo em que o profissional presta o serviço e recebe por ele ao final de um período, sabemos que na rotina diária isso é um mero detalhe burocrático — profissionais talentosos, que desejam ter uma carreira, querem mesmo é reconhecimento.

Muitos líderes acreditam que não precisam parabenizar os seus colaboradores pelo sucesso de um projeto ou elogiar alguém que se destacou dentro da equipe. Pelo contrário, saber reconhecer e valorizar os esforços, mostra o quanto existe de confiança na relação líder e liderados, o que direta ou indiretamente, valoriza também o talento da liderança.

6. Ser chefe em vez de líder

Uma velha discussão sobre a forma de conduzir as equipes e os processos dentro de uma empresa. Cada vez mais o comportamento de chefia é recusado nas empresas modernas, que têm em seus colaboradores, os parceiros mais importantes.

Exercer uma função de comando pautado nos princípios da chefia, não só afeta o clima organizacional, como aumenta os índices de turnover e absenteísmo. Sem contar na dificuldade que o RH tem de reter os talentos, pois nenhum profissional que deseja crescimento e valorização, se submeterá a esse tipo de liderança.

7. Não saber ouvir

A comunicação institucional exige que um líder seja eficiente em falar com suas equipes, mas, que saiba acima de tudo ouvir os colaboradores. Se no tempo de chefia, o gestor demandava e a equipe obedecia, essa característica já não tem mais lugar em um mundo dominado pela transformação digital e inovação tecnológica.

Os profissionais estão mais bem informados, participativos e desejam ser coprotagonistas do sucesso da empresa. Como a maioria atua diretamente nas operações, certamente têm muitas ideias e sugestões a compartilhar, cabendo ao líder desenvolver em si mesmo a capacidade de ouvir e dar os devidos créditos à sua equipe.

A importância de um líder bem preparado

O maior erro de um líder é acreditar que pode abraçar as responsabilidades sozinho, pois é notável que os resultados efetivos de uma empresa são fruto do esforço coletivo. Quando um gestor se prepara e se capacita para ser um líder de verdade, percebe que somente será bem-sucedido se puder contar com o seu time.

Um bom líder, além de todas as competências e conhecimento técnico, deve trazer em seu perfil, características que o tornem alguém inspirador e diferenciado para seus liderados, dentre elas:

· se comunicar com confiança e clareza;

· praticar o feedback contínuo;

· motivar a equipe diariamente;

· ser flexível;

· resolver conflitos;

· permitir que colaboradores falem;

· ser motivado pela paixão;

· delegar tarefas;

· celebrar as conquistas;

· ser aberto para a inovação;

· valorizar a diversidade;

· ser organizado;

· exercitar a empatia;

· conhecer profundamente cada membro da equipe;

· elogiar em público e repreender nos bastidores.

Esses são apenas alguns dos atributos que se espera de um líder de alta performance e preocupado em ser melhor a cada dia. Ao aprimorar essas soft skills e corrigir os gaps sinalizados neste artigo, você estará cada vez mais perto de se tornar um grande líder.

Agora que você já sabe quais são os erros de liderança que devem passar longe da conduta de um gestor, invista nos pontos positivos. O exercício contínuo de boas práticas e hábitos saudáveis são elementos imprescindíveis para gestores que desejam se transformar em grandes líderes.

Gostou do post? Já que falamos sobre os erros que um gestor não deve cometer, aproveite para saber também o que as empresas querem e não querem das lideranças considerando as características e traços mais importantes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdos Relacionados

Assine a newsletter do GPTW

e fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se